Pesquisar este blog

Seguidores

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Hoje É o Seu Dia de Viver

Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR por longos dias (Salmo 23.6).
A pessoa que tem o Senhor como o seu Pastor jamais andará sozinha. A bondade e a misericórdia irão segui-la sempre, e, com isso, ele ainda habitará na Casa de Deus – em Sua Palavra – por longos dias. Quem habita na Palavra e A tem dentro de si pode pedir e determinar o que quiser, e isso lhe será feito (João 15.7).
A bondade de Deus é esse mover dEle, que não perguntou quem somos, o que poderíamos dar ou se seríamos bonzinhos ou não. Ela veio e nos alcançou quando ainda nem procurávamos por ela, limpou-nos de todas as maldades e nos fez povo dEle. Agora, o adversário não nos pode mais tocar, e as suas setas não mais nos atingem. Por isso, podemos descansar em pastos verdejantes, junto às águas tranquilas. Podemos ter certeza de que a bondade e a misericórdia de Deus nos seguirão. Elas abrem as portas de que necessitamos, abatem os inimigos que se levantam contra nós, dão-nos segurança e nunca se transformam em ruindade (João 10.27-30).
A misericórdia do Senhor é a causa de não sermos consumidos (Lamentações 3.22). Muitas vezes, nós nos deixamos levar pelo maligno, não damos ouvidos à advertência divina, mas, mesmo assim, a misericórdia divina não nos abandona. Outras vezes, inadvertidamente, tomamos caminhos tortuosos, esquecemo-nos de Deus, envolvemo-nos com o mal, porém, apesar disso, ela continua acompanhando-nos e mostrando-nos o caminho de volta. Tanto a misericórdia quanto a bondade do Senhor são pacientes com todos. Porque esses dois atributos divinos não nos abandonam, podemos confessar que habitaremos na casa do Senhor por longos dias; em outras palavras, pelos dias que vivermos sobre a face da terra. Que bem nos fez a pessoa que pregou para nós a Boa Notícia, pois nos revestiu dessas duas bênçãos, e, agora, desfrutamos desse seu trabalho. Que ela seja recompensada no Grande Dia!
Nunca deixe o inimigo convencê-lo de que a bondade e a misericórdia do Senhor abandonaram você. Mesmo que esteja muito distante do Pai, lembre-se de que elas nunca irão deixá-lo desamparado. Elas irão seguir você, em alguns casos, muito tristes pelo seu procedimento, mas serão fiéis ao ministério que o Altíssimo lhes deu. Se você se arrepender, Ele irá perdoar-lhe, e a Sua bondade e a Sua misericórdia irão regozijar-se, porque foi salvo aquele que se havia perdido (Lucas 15).
Até os grandes santos de Deus tiveram seus dias de debilidade, mas se levantaram, achegaram-se ao Senhor e alcançaram perdão. Hoje é o seu dia de viver!
Em Cristo, com amor,
R. R. Soares

Reflexão

A BÍBLIA E O CELULAR

-Já imaginou o que aconteceria se tratassemos a nossa Bíblia do Jeito que tratamos o nosso celular? --E se sempre carregassemos a nossa Bíblia no bolso ou na bolsa?
-E se dessemos uma olhada nela várias vezes ao dia?
-E se voltassemos para apanhá-la quando a esquecemos em Casa, no escritório...?
-E se a usassemos para enviar mensagens aos nossos amigos?
-E se a tratassemos como se não pudessemos viver sem ela?
- E se a dessemos de presente às crianças?
-E se a usassemos quando viajamos?
-E se lançássemos mão dela em caso de emergência?

- Mais uma coisa: Ao contrário do celular, a Bíblia não FICA sem sinal.
-Ela 'pega' em qualquer lugar. Não é preciso se preocupar com a falta de crédito porque Jesus Já pagou a conta e os créditos não têm fim.
-E o melhor de tudo: não cai a ligação e a carga da bateria é para toda a vida.
'Buscai o Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto'! (Isaías 55:6)

DEUS TE ABENÇOE!!!

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Não Queira Esta Entrega

Pelo que eu os entreguei aos desejos do seu coração, e andaram segundo os seus próprios conselhos (Salmo 81.12).
O Espírito de Deus não ficará contendendo para sempre com o homem (Gênesis 6.3). Quando Ele Se cansa, entrega a pessoa ao desejo do seu coração, e, então, ela deixa de ser guiada pelo Senhor e de ser repreendida quando erra, passando, assim, a andar segundo os próprios conselhos. Pobre dessa alma, pois sofrerá muitas agruras que teriam sido evitadas se tivesse dado ouvidos ao Único que vê e sabe tudo.
O Altíssimo ficou cansado com o fato de Israel não querer ouvi-lO. Dura pena esse povo sofreu, mas seu futuro poderia ter sido brilhante. Hoje, se os servos do Senhor continuarem dando atenção aos autodenominados “profetas”, terão de provar o mesmo que os israelitas provaram: a entrega aos desejos do seu coração.
Não há nada mais perigoso do que alguém atender às próprias vontades. Quando essas vêm do Pai, em razão de a pessoa ter dado ouvidos à Palavra dEle, tudo é mais fácil, pois os anseios que surgem por se fazer a vontade divina têm no Senhor o seu Cumpridor. No entanto, quando o homem não ouve a bendita voz dos céus, não cumpre o que lhe é dito e, consequentemente, o Todo-Poderoso o abandona à sua teimosia. O que resta é confusão, sofrimento e muita lágrima. Além disso, o diabo, que o enganou, ajuda-o a dar mais cabeçadas. O homem natural não tem condições de saber coisa alguma do mundo espiritual (1 Coríntios 2.14). Ele tem olhos, mas não vê; tem ouvidos, mas não ouve, e sua mente não consegue entender o que se passa além de uma parede. Então, andando guiado pelo que acha ser certo e fazendo a vontade da carne ou de alguém mais, ele cairá na cova, como quando um cego se propõe a guiar outro cego (Efésios 2.1-3; Lucas 6.39).
A luz brilha sempre que se lê ou se ouve a Palavra. Essa iluminação é a direção que Deus dá.
Entretanto, quando, por repetidas vezes, alguém fecha o coração para o que Ele lhe está mostrando, o tombo é certo e inevitável (Provérbio 29.1). Israel não quis ouvir; estava decidido a fazer o que bem desejasse e queria independência do seu Libertador. Como resultado, pagou um preço por demais alto.
Não são poucos os que compram, vendem, casam-se, viajam e tomam as mais diversas decisões sem consultar Aquele que só sabe fazer o bem. Depois, quando descobrem que agiram de forma errada, ainda culpam o Altíssimo por não os ter impedido de tropeçar. Porém, quem faz o que quer – ou quem não dá a devida atenção ao Mestre – vai tropeçar e cair, pois não há quem consiga vencer sem a ajuda do Senhor.
Em Cristo, como amor,
R. R. Soares

A Guerra Não Está Perdida

Espere Israel no SENHOR, porque no SENHOR há misericórdia, e nele há abundante redenção (Salmo 130.7).
Aprender a esperar no Senhor é um dos grandes segredos dos vencedores. Mesmo quando falha, o homem não pode deixar o inimigo envergonhá-lo nem tomar a decisão de que, por ter caído em tentação, é incapaz de servir a Deus, pois agir assim é acreditar no adversário. Não devíamos falhar, é claro, mas, se isso ocorrer, devemos esperar no Senhor, pois Ele tem um plano a nosso respeito, e não será uma queda que nos tirará de Suas mãos. Temos de aguardar em Deus, porque Ele é misericordioso e capaz de realizar a nossa redenção.
Quando um filho de Deus vacila e se deixa levar pela tentação, tendo consumado ou não o pecado, sente-se um miserável. Nessa hora, ele não deve tomar nenhuma atitude, a não ser a de confessar seu erro e pedir tanto o perdão ao Senhor quanto a restituição da sua alegria. É nesse momento que Satanás surge e tenta convencê-lo de que errou porque não serve para seguir o Senhor e não há mais jeito para ele. Então, se você não quer se perder e deseja alcançar o perdão e a restituição da sua posição em Cristo, o melhor é esperar nEle.
É triste ver falhar uma pessoa que se comprometeu em seguir o Todo-Poderoso. Quando isso acontece, Ele Se entristece, pois, momentaneamente, o Seu plano para aquela vida se frustrou. Mas isso não quer dizer que tenhamos chegado ao fim da estrada e não há mais nada a ser feito. Quem deseja vencer não pode deixar o inimigo envergonhá-lo, mas deve fazer uso da promessa bíblica: Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça (1 João 1.9).
Agora, ficar amuado, achando que é um fracasso e, por isso, não pode servir ao Senhor é acreditar no maligno. Deus, como Pai, sabe melhor do que nós que os filhos, quando aprendem a andar, muitas vezes, caem e até se machucam. Mas, se lhe forem dadas palavras de incentivo, eles tentarão de novo e conseguirão manter-se em pé, para, em breve, mais firmes, passarem a andar normalmente.
Bom seria que jamais falhássemos, mas, se isso ocorrer, o certo será esperar no Altíssimo. O plano dEle para a nossa vida não termina em uma queda que, porventura, possamos ter sofrido (veja o caso de Jonas); pois, na verdade, ninguém pode arrebatar-nos das mãos do Senhor (Romanos 8.35-39).
O Senhor, além de misericordioso, possui abundante redenção para não deixar com que nos percamos nos enganos de Satanás. Mesmo que tenhamos perdido uma batalha, isso não significa que perdemos a guerra (Provérbios 24.16).
Em Cristo, com amor,
R. R. Soares

Nós Buscamos a Deus

Os mansos verão isto e se agradarão; o vosso coração viverá, pois que buscais a Deus (Salmo 69.32).
O rei Davi escreveu esse salmo para relatar o próprio sofrimento. No entanto, quando o comparamos com o que sofreu Jesus Cristo, notamos uma grande similaridade entre as angústias pela quais ambos passaram. Depois, Davi afirmou que louvaria o Senhor com cânticos e iria engrandecê-lO com ações de graças. A ele foi revelado que isso era melhor do que qualquer sacrifício. Então, o salmista diz que os mansos – aqueles que são tranquilos e esperam no Senhor – veriam isso e se agradariam. Além disso, afirmou que, com esse agrado e a alegria que surgiria no coração de cada um deles, viveriam. Quem se agrada vivifica o coração, e isso prova que, de fato, a pessoa busca o Todo-Poderoso.
Davi, sendo ungido do Senhor, foi usado para escrever muitos salmos. Às vezes, ele falava de si e, em outras ocasiões, era usado como profeta. Na passagem bíblica citada, encontramos uma semelhança entre o que se passava com ele e o que o Senhor Jesus sofreu. Muitas vezes, os registros foram feitos figuradamente na Palavra de Deus, mas, com a ajuda do Espírito Santo, conseguimos discerni-los. O que nos é revelado ao coração é a voz de Deus falando conosco.
O salmista falou dos sofrimentos e, depois, revelou um segredo importante: ele louvaria o Altíssimo com cânticos e iria engrandecê-lO com ações de graças. Quem não usa esses dois meios de agradar ao Senhor perde tempo em ficar orando e suplicando por bênçãos. Jesus disse que o Pai anda procurando adoradores que O adorem em espírito e em verdade (João 4.23). Por isso, quando, inspirados pelo Santo Espírito, louvamos o Todo-Poderoso com cânticos ungidos e Lhe rendemos graças, nós Lhe agradamos mais do que se tivéssemos oferecido qualquer sacrifício.
Agir dessa forma vivifica o coração. O Senhor é a nossa Vida, e, enquanto não O tivermos operando em nós, ficaremos tristes, inoperantes, bem parecidos com os mortos.
Tê-lO em atividade nos dá satisfação e felicidade inexplicáveis, pois Ele mesmo vem visitar-nos e, consequentemente, como sinal de que isso acontece, o nosso interior se rejubila. Essa é a alegria que a Bíblia coloca como condição indispensável para servirmos a Deus de fato. É com ela que fazemos a oração da fé para destruir doenças, expulsar demônios e tomar posse do que nos pertence. A alegria que o Altíssimo nos concede é a nossa força (Neemias 8.10).
Tudo se transforma quando somos visitados pelo Pai. Até sentirmos essa felicidade, não podemos desistir, mas buscá-la em nossas orações, pois, possuindo-a, podemos pedir o que quisermos, já que isso demonstra que buscamos a Deus.
Em Cristo, com amor,
R. R. Soares

Evite Estes Três Males

Cruel é o furor e a impetuosa ira, mas quem parará perante a inveja? (Provérbios 27.4).
Há muitas coisas indevidas que o homem faz. Por exemplo, ninguém deveria ingerir uma gota de álcool, mas muitos se embriagam. As drogas nem deveriam ser experimentadas, porém, uma multidão faz uso delas. No entanto, se todos pautassem a vida nas recomendações divinas, os problemas da humanidade estariam resolvidos.
Quem adultera faz mal a si e à pessoa com quem errou, bem como aos cônjuges traídos, à família de ambos e, principalmente, ao Senhor. Mas, infelizmente, há quem, agora mesmo, esteja deixando o diabo tramar-lhe um caso. O pior é que, muitas vezes, esse alguém acha que Deus entende como ele sofre e quer vê-lo feliz nos braços de outra pessoa, “justificando” o injustificável e tornando Deus seu cúmplice. Além dessas tristes atitudes, o furor, a ira e a inveja nunca deveriam ser aceitos ou tolerados no coração.
Furor é uma ira violenta, cruel, quase sem controle. A pessoa possuída por esse sentimento age sem piedade, sendo capaz de cometer grandes atrocidades. Ele pode ser entendido como uma paixão sem limites para exercer alguma vingança. Saul, por exemplo, ficou furioso contra Davi pelo fato de o jovem ter sido escolhido pelo Senhor e, então, procurou matá-lo de todos os modos. O triste fim de Saul mostra que o furor é cruel até para quem está cheio dele (1 Crônicas 10.1-7).
A ira é impetuosa e pode ser definida como o ressentimento que vem com um desejo de vingança. Isso significa que a pessoa que a deixa entrar no coração pode ter momentos de descontrole e, tomada por um impulso violento, fazer coisas terríveis, das quais se arrependerá depois. Quantas vezes a televisão mostra pessoas que cometeram crimes, até homicídios, mas se dizem arrependidas e confessam que não sabem por que praticaram tais barbaridades! Fuja da ira, pois, em um ímpeto, você poderá arruinar a vida de alguém, bem como a sua própria.
Já a inveja é uma mistura de desgosto e apreciação pelo sucesso de alguém. Quem a abriga, ao ver uma pessoa prosperando, lança-se no mesmo ramo para conseguir a sua prosperidade. O invejoso é capaz de trair o melhor amigo, pois descobriu, por exemplo, que a mulher deste é a pessoa ideal para ser a sua metade, que o carro dele é o que ele gostaria de ter etc.
Só os loucos não se livram da inveja e param diante dela para cumprir os seus desejos. Então, leve a sério essas advertências e não deixe ninguém seduzi-lo com essas coisas, nem mesmo seu cônjuge. Talvez, ele esteja enfermo na alma, possuído pelo espírito do erro. Se você não quiser ter problemas por toda a eternidade, seja sóbrio e responsável (Salmo 34.12-14).
Em Cristo, com amor,
R. R. Soares

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Deus é Pai

Voltai, ó filhos rebeldes, eu curarei as vossas rebeliões. Eis-nos aqui, vimos a ti; porque tu és o SENHOR, nosso Deus (Jeremias 3.22).
Antes de meditarmos em como é o nosso Deus, devemos pensar nEle como Pai. Afinal, que pai deseja o mal aos seus filhos? Talvez, algum alienado tenha esse tipo de sentimento, mas o Senhor, nosso Pai celeste, jamais desejaria que qualquer um de Seus filhos sofresse. Ele não ameaça castigar o filho rebelde, mas o convida a voltar, pois Sua vontade é libertá-lo do espírito de rebelião que o fez se afastar dEle. Quem errou deve acertar-se o mais rápido possível, porque Deus é o Senhor e, como tal, tem a última palavra e nenhum dos Seus desejos pode ser impedido (Jó 42.2). É bom estar de bem com Ele.
Não sei quem começou a retratar o Onipotente como um tirano. Ele é o nosso Pai. Tudo de bom que existe veio do Seu coração, e nada de mal procede dEle. Somos o Seu sonho, e mesmo daqueles que estão no erro Ele ainda não desistiu. O Altíssimo os convida a retornar ao Seu seio, onde encontrarão descanso e vida abundante.
Pode ser que o mais exigente pai, em sua ignorância, chegue a açoitar o próprio filho, achando que, com isso, está fazendo-lhe um bem. Porém, o Senhor, o qual é amor, é infinitamente melhor do que qualquer pai. Jamais em Seu coração haverá algum sentimento de maldade em relação aos Seus, pois os pensamentos divinos a nosso respeito são de paz (Jeremias 29.11).
Deus enviou Seu único Filho para resgatar o que se havia extraviado. Hoje, o Altíssimo está na missão de resgatar para a Sua casa quem longe dela está. Ele tem poder para mudar todo homem, e esta é a mensagem que temos de pregar a quem se encontra no erro, na criminalidade e nos mais diversos enganos.
O Senhor não castigará quem se encontra perdido, mas irá curá-lo do espírito de rebelião, o qual veio para roubar, matar e destruir a sua vida (João 10.10a).
A decisão de voltar para Deus deve ser feita logo que se ouve a pregação do Evangelho. A Boa Notícia pregada é a porta aberta para a felicidade. Demorar a aceitar o convite do Senhor e a assumir a sua posição em Cristo é dar chance para o inimigo destruí-lo.
Como Senhor, Ele já decretou o seu perdão. Tudo o que você tem a fazer é achegar-se a Deus em oração e entregar-se a Ele. No mesmo instante, você será aceito, perdoado e recriado em Cristo Jesus, e sairá à imagem e semelhança dEle. Nada é mais recompensador do que estar em paz com Deus.
Em Cristo, com amor,
R. R. Soares

Deus Não é Injusto

Porque Deus não é injusto para se esquecer da vossa obra e do trabalho da caridade que, para com o seu nome, mostrastes, enquanto servistes aos santos e ainda servis (Hebreus 6.10).
Há pessoas que são injustas, pois recebem um benefício e não se lembram de quem dedicou seu tempo, sua fé e seu amor para ajudá-las. Mas isso não ocorre com Deus. Tudo o que fizermos para Ele ou pelo próximo em Nome dEle fica como memorial eterno diante de Seus olhos, e, um dia, Ele irá recompensar-nos até mesmo pelo ato de bondade mais simples que tenhamos cometido (Mateus 10.42). Os que trabalham no Evangelho, direta ou indiretamente, precisam sempre se lembrar de que o Senhor nunca Se esquece de qualquer atitude nossa, até mesmo de um simples gesto de cortesia. Todas as coisas estão claras e patentes diante dEle.
Não importa a obra que nos foi colocada a realizar. Vamos fazê-la de coração, pois o Senhor anota todo o trabalho de amor que temos empreendido para que os perdidos sejam iluminados e os santos tenham suas necessidades supridas. Por uma simples entrega de folheto, um testemunho dado, uma oração ou uma visita feita a alguém para iluminar aquele coração, sem dúvida, receberemos a recompensa dos Céus.
Mas atenção: tudo deve ser feito para a glória do Nome de Jesus, pois, assim, temos a garantia de sucesso. Na passagem de hoje, vemos isso muito claramente. Aqueles irmãos citados em Hebreus mostraram que sua obra e seu trabalho eram feitos para o Senhor, e, por isso, havia esperança de bênçãos da parte divina.
Observe que eles serviam aos santos. Hoje, como naquela época, esses também precisam ser servidos. Os chamados pelo Senhor, muitas vezes, servem tanto que se esquecem de suas necessidades. Quão bom é quando alguém se lembra de nós e nos serve com aquilo que o Ele coloca em seu coração.
Se o Pai tem-lhe dado a incumbência de interceder pelos que estão na linha de frente na obra divina, continue a servir-Lhe. As pessoas que foram estabelecidas nesse ministério são iguais a todas as outras. Muitas se deixam levar por tentações e perdem o foco do Senhor. Mas, se você sentir no coração de ajudar em oração esses guerreiros da Verdade, não deixe de fazê-lo. Há casos em que a luta poderá ser tão dura, que o intercessor sofrerá tanto quanto o que a está enfrentando. No entanto, nada nos aflige, pois sabemos que o Altíssimo pagará pelo trabalho e amor demonstrado aos Seus.
Com amor, no Senhor,
R. R. Soares

Não Ame o Dinheiro

O que amar o dinheiro nunca se fartará de dinheiro; e quem amar a abundância nunca se fartará da renda; também isso é vaidade (Eclesiastes 5.10).
O livro de Eclesiastes contém as reflexões de Salomão, o qual foi o homem mais sábio que já pisou sobre a face da terra (1 Reis 4.29-34). No entanto, seus escritos não foram fruto de seu próprio entendimento, mas, sim, do Espírito de Deus, que o usou para escrever três livros e vários salmos.
Nas palavras inspiradas de Salomão, o que amar o dinheiro nunca se fartará de dinheiro. Não há nada demais no fato de uma pessoa possuir muito dinheiro. Ela pode até gostar dos recursos que estão em suas mãos, pois, até aí, não cometeu erro algum. Mas, se ela vier a amar o dinheiro, certamente, cairá em laço do inimigo.
Tanto quem possui dinheiro quanto quem não o tem deve evitar amar essa ferramenta, a qual sempre deve ser encarada como mero recurso, e não como um senhor a quem se ama. Biblicamente falando, aquele que ama a Deus guarda Seus mandamentos e serve ao Senhor (João 14.15), mas a pessoa que ama o dinheiro luta de todas as formas para consegui-lo e acaba servindo a ele. Então, seja pouco ou muito o que possuímos, isso nunca deve deixar de ser um meio, e, como tal, precisa ser empregado, primeiro, na obra do nosso Pai e, depois, em nosso sustento e bem-estar (Mateus 6.33). Utilizar os bens que nos são colocados à mão apenas em proveito próprio é errar completamente.
Quando uma pessoa passa a amar o dinheiro, o amor de Deus se afasta dela (1 Timóteo 6.10). Por isso, quem tem juízo tem de lutar para nunca perder o amor do Senhor. Mas como fazer isso? A resposta é muito simples: quando O amamos, Ele nos ama, e, com a medida que medimos, Ele nos mede. Nós ditamos a maneira de sermos amados. Amar mais qualquer coisa é como dar o pedido de divórcio para o Senhor. Não nos podemos iludir: Mamom, o deus da riqueza, é impotente para nos guardar dos ataques do maligno.
Há quem lute de todos os modos para ter abundância e, quando a consegue, passa a amá-la, e isso não é bom! Jesus disse que a quem muito foi dado, muito mais lhe será pedido (Lucas 12.48). A triste verdade é que quem ama a abundância jamais irá satisfazer-se com a renda que tem. Os alvos de tal pessoa mudam completamente, e ela passa a ver o mundo de forma diferente da que Deus quer que ela tenha.
Os bens devem ser encarados somente como ferramentas. Quem desobedece à exortação divina cai em laço. Com o tempo, o dinheiro e a abundância podem levar quem os ama a praticarem atos proibidos no intuito de obterem ainda mais riquezas. As cadeias estão cheias de pessoas que agiram desse modo. Sendo o Senhor o Seu Deus, Ele colocará em suas mãos o que for necessário. Só a Ele devemos servir e prestar culto!
Em Cristo, com amor,
R. R. Soares

Todo Justo Será Provado

O SENHOR prova o justo, mas a sua alma aborrece o ímpio e o que ama a violência (Salmo 11.5).
Muitas vezes, as pessoas não entendem por que passam por apertos. Nesses momentos, algumas reclamam e questionam se Deus realmente as ama. Há tentações e provações, mas quem já se converteu e pauta a vida na Palavra deve estar sempre preparado para ser provado. É o próprio Deus quem as coloca nessas provas, pois, assim, Ele confirma se elas Lhe têm sido fiéis.
A Palavra narra que Jesus foi levado pelo Espírito Santo ao deserto para ser tentado pelo diabo (Lc 4.1-13). Podemos questionar como o Senhor teve tamanha coragem, ou, para alguns, maldade. Mas a verdade é que o Pai queria que Jesus provasse que não sairia do que está escrito. Foi assim que o Mestre Se portou e livrou-Se daquele período de provas, pronto para fazer o que Lhe foi comissionado, ou seja, salvar o mundo perdido.
Se os pais colocassem o bebê no berço e nunca o tirassem de lá, como ficaria esse indivíduo quando crescesse? Se os pais não o deixassem pisar no chão e ainda proibissem as pessoas de falarem com ele e de o abraçarem, como seria quando ele atingisse a idade adulta? Cada um precisa conviver com todos os tipos de indivíduos: ingratos, fofoqueiros, malandros, e também com gente boa, santa.
Observe que, como forma de avaliação de assimilação de conteúdo, os colégios, em sua maioria, aplicam provas em seus alunos. Sendo assim, mesmo os melhores estudantes têm de passar por testes. Na educação física, não basta, simplesmente, ter um bom porte físico e estar disposto a ser um bom atleta, pois o aluno tem de fazer todos os exercícios, e, no dia do exame, precisará correr, nadar, saltar, jogar etc., a fim de mostrar que aprendeu o que lhe foi ensinado; caso contrário, não será aprovado.
Nós, de fato, fomos curados pelas feridas de Jesus (Is 53.5), mas, por exemplo, quando vem um resfriado ou uma pequena dor, o que fazemos? Oramos ou logo compramos um remédio e nos livramos dele? Quando surge a oportunidade de “ficar” com alguém, nós nos portamos como santos ou praticamos o mesmo que o mundo faz e depois pedimos perdão a Deus? Quem não é fiel no mínimo não o será no muito. Aquele que não aprende a repreender uma pequena dor, se, um dia, for acometido de um mal maior, não terá condições de enfrentar tal ataque. O mesmo acontece com o cristão que, tendo oportunidade de ficar a sós com uma garota, logo troca beijos e carícias íntimas com ela. Diante disso, um dia, ao surgir a oportunidade de fornicar ou adulterar, lá vai o “filho de Deus” como ovelha para o matadouro.
O ímpio, o qual ama a violência e se acha mais esperto que o fiel, cai em toda armadilha. Depois, como conseqüência, tem de criar um filho que não foi planejado ou, até mesmo, passar alguns anos atrás das grades para reparar um ato insano.
Meu irmão, seja prudente e prepare-se para as provações, pois elas sempre virão; porém, capacite-se também para ser aprovado e sair delas com louvor!
Em Cristo, com amor,
R. R. Soares

Tudo Já Nos Foi Dado

Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou por sua glória e virtude (2 Pedro 1.3).




Poucas pessoas sabem que já lhes foi concedido tudo o que diz respeito à vida. Com a queda de Adão, entretanto, morremos espiritualmente e ficamos reduzidos ao mundo material. Diante do pecado, a presença de Deus se foi, a pureza desapareceu, a violência surgiu, junto com a miséria e demais sofrimentos. Mas, com a vinda do último Adão (1 Coríntios 15.45), conseguimos tudo de volta. Agora, basta tão-somente crer no que aprendemos do Altíssimo quando lemos a Palavra ou escutamos a pregação da fé, para que sejamos restituídos com aquilo que se refere à vida e piedade.



Mas o que nos diz respeito à vida e piedade? Saúde, paz, prosperidade, santidade, comunhão com o Senhor, ser cheio do Espírito Santo etc.


Para usufruir dessas bênçãos, é preciso que tenhamos conhecimento dAquele que nos chamou por Sua glória e virtude. Esse é o nosso Senhor Jesus.



Alguns cristãos só frequentam a igreja apenas aos domingos; outros vão, simplesmente, no dia da Santa Ceia; alguns tantos só participam do culto de Natal, da Sexta-Feira Santa ou vão à igreja quando querem. Ao agirem dessa maneira, a vida espiritual deles fica sem sentido, sem um contato contínuo com o Pai. Sem esse conhecimento não nos realizamos. Quem não aprende a orar, a viver em comunhão com o Senhor, a ouvir a Palavra e a pôr em prática o que aprende dEle, não é cristão vencedor, mas alguém que, constantemente, cai em tentação.



Por incrível que pareça, ainda há gente que declara servir ao Senhor, no entanto, tem prazer em assistir a filmes pornográficos, ouvir músicas ou casos picantes, mentir, ser falso e viver como os ímpios vivem. É claro que essas pessoas não estão nas mãos de Deus. Elas apenas se enganam ao professar que pertencem ao Altíssimo e que vão para os céus, pois a Palavra diz que, sem santidade, ninguém verá o Senhor (Hebreus 12.14).



Se o poder divino já nos deu tudo, então por que não reivindicá-lo e crer nele para ser curado? Por que não prosperar? Por que viver abrasado na sensualidade, praticando coisas pecaminosas? Por que não se encher do Espírito Santo e deixar a unção fluir?



Por que não cumprir o plano de Deus para nós? Se tudo é nosso, podemos fazer o que agrada ao Pai celestial. Ele faz votos para nossa saúde e prosperidade, assim como próspera é a nossa alma (3 João 2).



Seja você quem for, viva no mais alto nível, da melhor forma possível. Fuja das paixões infames da carne e seja cheio do Santo Espírito.


Cresça no conhecimento de Jesus e assuma o que lhe foi gratuitamente concedido. Seu sucesso é a realização do Senhor em sua vida!




Em Cristo, com amor,





R. R. Soares

Você Já Foi Curado

Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados (1 Pedro 2.24).
Nos anos 1950, a o versículo citado inspirou uma jovem na cidade de Nova Iorque a ser curada de tuberculose. O estado dela era tão débil, que esperavam que ela morresse a qualquer momento. Sendo cristã verdadeira, ela não via a hora de partir para estar ao lado do Senhor.
Certa ocasião, de tão fraca que estava, construíram um aparato para ficar sobre ela e, em cima, colocaram uma Bíblia para que ela pudesse ler, pois não conseguia segurar o livro. Enquanto folheava aquelas páginas, parou nesse texto das Escrituras. Quando a moça leu que Jesus levou os pecados dela sobre o madeiro, não aguentou de emoção, chorou e louvou ao Senhor por ter carregado o seu fardo. Depois que enxugou as lágrimas e voltou à leitura, deparou-se com algo que fez uma revolução em sua alma. Então, gritou pela mãe, a qual quis logo saber o que estava acontecendo com a filha.
Mãe, a senhora sabia que já estou curada??.
A mãe respondeu que não estava entendendo, e, assim, a jovem mostrou o versículo. Ainda sem compreender o que se passava no coração da filha, tentou acalmá-la dizendo que fosse paciente, pois, em breve, tudo terminaria. Ao que a moça protestou, exclamando: ?Mãe, nosso Deus garantiu que, pelas chagas de Jesus, eu fui sarada!?.
A jovem, então, teve de apelar, retrucando: ?A senhora não me ensinou a crer em tudo o que a Bíblia diz??. Após ouvir a resposta positiva da mãe, ela pediu que levassem até ela uma roupa. Em vão, sua mãe tentou mantê-la na cama, pois a moça levantou-se, mesmo sem vigor. Nos dois dias depois disso, ela ainda escarrava sangue, mas, no terceiro dia, foi melhorando, e, em pouco tempo, já havia recuperado o peso e estava sã.
A Palavra de Deus, que não pode mentir (Números 23.19), garante que nossas enfermidades e nossos pecados foram levados pelo Salvador sobre o madeiro. Além disso, o Livro Sagrado assegura-nos que, pelas feridas de Jesus, fomos sarados. O que você diz a respeito disso?
Meu amigo, se tem intercedido ao Pai a fim de ter a saúde restaurada, passe a orar agradecendo pela cura. Mande o mal sair do seu corpo agora, pois, se usar o Nome poderoso de Jesus, todo o incômodo sairá, pois, pelas feridas sofridas pelo Filho de Deus, você foi curado!
Em Cristo, com amor,
R. R. Soares